18/03/2010 - Sexta-feira | A Razão

Operação Boca Pintada

Policiais civis, fiscais do Ministério do Trabalho e Conselheiro Tutelar visitaram casas noturnas para verificar possíveis irregularidades e trabalhar a conscientização sobre a prostituição infantil. Operação foi na madrugada de sexta.
 
Me paga um drink? Essas são palavras ouvidas com frequência pelos homens que costumam frequentar casas noturnas que trabalham com programa sexual. Em algumas oportunidades já foram flagradas menores de idade dentro desses locais. Pensando no bem estar de crianças e adolescentes que a Polícia Civil da Santa Maria escolheu a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA) para dar início a uma série de operações. Cerca de 50 policiais de diversas
Policiais civis, fiscais do Ministério do Trabalho e Conselheiro Tutelar visitaram casas noturnas para verificar possíveis irregularidades e trabalhar a conscientização sobre a prostituição infantil. Operação foi na madrugada de sexta
delegacias da cidade trabalharam em conjunto na Operação Boca Pintada, sobre o comando da Delegada Carla Dolores de Castro, com o apoio do delegado plantonista Ayrton Martins Júnior e do delegado regional Marcelo Arigony.
Foram 11 casas noturnas vistoriadas, onde mais de 100 mulheres tiveram que apresentar a documentação. Para a delegada, o resultado foi muito positivo, porque visávamos conscientizar a venda de bebida alcoólica para adolescentes e a exploração sexual de menores de idade. “Vamos tornar este tipo de ação policial uma rotina na cidade”, afirma à delegada.
As ações que iniciaram por volta da 0h, se estenderam até às 4h, com a inspeção de casas noturnas em todas as regiões da cidade. Os fiscais do Ministério do Trabalho notificaram alguns locais quanto a aspectos trabalhistas de pessoas que estavam exercendo alguma função, e devem apresentar documentações nos próximos dias. Já os conselheiros tutelares não flagraram nenhuma pessoa menor de idade trabalhando ou se prostituindo nos locais.